A propósito dos 90 anos do Ramal de Tomar (IX)

De Tomar - 1928-08-12

(Imagem – “De Tomar”, 12.08.1928)

Anúncios

Setembro 20, 2018 at 9:31 am Deixe um comentário

A propósito dos 90 anos do Ramal de Tomar (VIII)

De Tomar - 1928-08-05

(Imagem – “De Tomar”, 05.08.1928)

Setembro 19, 2018 at 9:42 am Deixe um comentário

A propósito dos 90 anos do Ramal de Tomar (VII)

De Tomar - 1928-07-29
De Tomar - 1928-07-29a

(Imagens – “De Tomar”, 29.07.1928)

Setembro 18, 2018 at 9:28 am Deixe um comentário

A propósito dos 90 anos do Ramal de Tomar (VI)

A Cidade - 1928-07-29

(Imagem – “A Cidade”, 29.07.1928)

Setembro 17, 2018 at 9:23 am Deixe um comentário

Campeonato Distrital Futebol – 1ª Jornada

Fazendense – At. Ouriense – 0-0
Samora Correia – Marinhais – 2-2
Alcanenense – U. Tomar – 3-0
Glória do Ribatejo – Torres Novas – 1-0
U. Santarém – Cartaxo – 4-2
Ferreira do Zêzere – Coruchense – 1-3
Amiense – U. Almeirim – 2-2

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Alcanenense         1     1     -     -     3 -  0     3
 2º U. Santarém         1     1     -     -     4 -  2     3
 3º Coruchense          1     1     -     -     3 -  1     3
 4º Glória Ribatejo     1     1     -     -     1 -  0     3
 5º Amiense             1     -     1     -     2 -  2     1
 6º Marinhais           1     -     1     -     2 -  2     1
 7º Samora Correia      1     -     1     -     2 -  2     1
 8º U. Almeirim         1     -     1     -     2 -  2     1
 9º At. Ouriense        1     -     1     -     0 -  0     1
10º Fazendense          1     -     1     -     0 -  0     1
11º Torres Novas        1     -     -     1     0 -  1     -
12º Cartaxo             1     -     -     1     2 -  4     -
13º Ferreira Zêzere     1     -     -     1     1 -  3     -
14º U. Tomar            1     -     -     1     0 -  3     -

Melhores marcadores:

1º Joel (Coruchense) – 2
1º Moleiro (Amiense) – 2
1º Persi Mamede (U. Almeirim) – 2

Setembro 16, 2018 at 6:06 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – Taça de Portugal

O pulsar do campeonato - 2018-19 - TPortugal1

(“O Templário”, 13.09.2018)

Ainda antes do arranque dos campeonatos distritais, quatro clubes do Distrito participaram no passado fim-de-semana na 1.ª eliminatória da 79.ª edição da Taça de Portugal (competição iniciada na época de 1938-39, a qual não se disputou nas temporadas de 1946-47 e 1949-50): os dois únicos representantes no Campeonato de Portugal, Fátima e Mação, assim como o vencedor da Taça do Ribatejo e vice-campeão Distrital, União de Tomar, para além do 3.º classificado do campeonato distrital, Torres Novas.

Independentemente da faculdade de repescagem para a 2.ª eliminatória, por sorteio – de que acabariam por vir a beneficiar o Fátima e o Torres Novas –, num balanço muito pouco favorável, o U. Tomar foi a única equipa do Distrito que, dentro de campo, garantiu o apuramento para a fase seguinte da prova, na qual receberá a visita do Vilafranquense.

Destaque – O primeiro grande realce desta nova temporada vai para o triunfo averbado pelo U. Tomar na deslocação a Idanha-a-Nova, onde – apoiado por uma entusiasta falange de adeptos, dando corpo à “festa da Taça” – defrontou o Clube União Idanhense, 3.º classificado do distrital da Associação de Futebol de Castelo Branco (“repescado” para a Taça de Portugal, dado que os dois primeiros do respectivo campeonato, Alcains e V. Sernache, se defrontaram na final da Taça Distrital, à semelhança do que sucedeu no distrital de Santarém).

Apesar do tempo quente e abafado que se fazia sentir as duas formações entraram em campo – um bonito estádio, muito bem enquadrado na paisagem envolvente, com um relvado em boas condições – com espírito positivo e ambição, em busca do golo, logo a partir dos instantes iniciais, com oportunidades repartidas: logo a abrir, para os tomarenses, e, praticamente de imediato, para os idanhenses, isto ainda antes de decorridos os cinco minutos iniciais.

De seguida, os donos da casa procuraram afirmar a sua condição, empurrando os nabantinos para o seu meio-campo, que, durante cerca de um quarto de hora, denotaram alguma dificuldade em assentar o jogo. Por volta dos trinta minutos, a partida entraria numa toada mais lenta e de maior equilíbrio, sem predomínio claro de nenhum dos contendores.

Num período de boa eficácia, o U. Tomar teria então a felicidade de marcar – por duas vezes – em momentos capitais do desafio, o que lhe proporcionaria uma grande tranquilidade, quase até ao termo do encontro: o tento inaugural surgiria pouco depois dos 40 minutos, à beira do intervalo, na sequência de um livre, com um oportuno desvio de cabeça, de belo efeito, de Allan Santos, a anichar a bola no fundo da baliza, sem hipóteses para o guardião contrário; depois, à passagem dos dez minutos da segunda metade, seria a vez de João Pedro Nascimento, com um bom remate, ampliar a contagem, e, praticamente, definir o desfecho da eliminatória.

Não obstante, a turma do Idanhense, embora já sem a confiança anteriormente revelada, não abdicaria de procurar inverter o rumo dos acontecimentos, voltando a pressionar com insistência junto da baliza unionista, criando alguns lances de perigo, com o guardião Nuno Ribeiro e o capitão Nuno Rodrigues com atentas intervenções, fundamentais para salvaguardar a vantagem.

Após uma fase em que os visitados pareciam começar a estar já “conformados” com a sua sorte, tendo entretanto o U. Tomar voltado a dispor de alguns lances de contra-ataque, em que poderia ter “arrumado” com o jogo, a equipa da Idanha chegaria enfim ao golo, num lance de muito boa execução, num remate de meia distância, em arco, ao canto superior da baliza, sem hipóteses para o guarda-redes. Faltavam então já menos de cinco minutos para o final do tempo regulamentar, mas, somando o período de compensação, foram cerca de dez minutos de algum sofrimento e tensão para as hostes tomarenses, que poderiam ter sofrido o golo do empate, como, paralelamente, tiveram ainda nova soberana ocasião para marcar o terceiro tento.

Todavia, o marcador acabaria por não se alterar e, no final, jogadores, corpo técnico, dirigentes e adeptos unionistas extravasaram a alegria da vitória e do apuramento, importante não apenas em termos desportivos, mas também a nível financeiro: aos 3.000 euros de prémio de participação na prova, o clube soma agora 4.000 euros de prémio de qualificação para a 2.ª eliminatória (fase que não atingia desde a já distante temporada de 2000-01).

Confirmação – Com os clubes do Distrito com uma missão de grau acrescido de dificuldade, devido ao facto de, todos eles, terem actuado como visitantes, o Torres Novas (3.º classificado do Distrital) seria batido (0-2) pelo vice-campeão da Associação de Leiria, G. R. Amigos da Paz (que, na época finda, se quedou somente um ponto atrás do Campeão distrital, Peniche).

Surpresas – Menos expectáveis seriam as derrotas do Mação, e, sobretudo, do Fátima. De facto, os maçaenses, campeões distritais em título, promovidos ao Campeonato de Portugal – escalão no qual, depois de uma estreia vitoriosa, registam uma série negativa, de três desaires sucessivos, ocupando lugar (14.º) na zona perigosa da tabela – visitaram Condeixa-a-Nova, onde encontraram o vice-campeão distrital da Associação de Coimbra, que fazia a sua estreia em competição na presente temporada, vindo a ser desfeiteados por tangencial marca de 2-3.

Pior fez o Fátima, muito aquém das expectativas, tendo sido derrotado em Oleiros por 0-2, perante um adversário que milita na mesma série do Campeonato de Portugal e que, até à data, ainda não havia vencido nas quatro partidas anteriormente disputadas (tendo como melhor resultado um único empate), ocupando a posição de “lanterna vermelha” da prova. Conforme referido, os fatimenses, tal como os torrejanos, acabaram por ser bafejados com a repescagem.

Antevisão – Ainda antes do arranque da I Divisão Distrital, foi agendada, para esta quarta-feira, a disputa da Supertaça do Ribatejo, entre o Campeão, Mação, e o vencedor da Taça, U. Tomar.

No que respeita ao campeonato – que terá a sua ronda inaugural neste fim-de-semana –, antevê-se intensamente disputado, numa competição “muito aberta”, perfilando-se como formações com maiores ambições ao título as do Cartaxo (reforçada com o melhor marcador, Wemerson Silva) e do U. Almeirim, a par, porventura, dos despromovidos do Nacional, Coruchense (que, aliás, foi o Campeão nas suas duas últimas participações) e a “incógnita”, Alcanenense; talvez numa segunda linha, mas visando também intrometer-se em tal disputa, surgirão as equipas do U. Tomar e Samora Correia – isto sem esquecer outros nomes históricos do futebol distrital, como Torres Novas, Fazendense, Amiense, At. Ouriense ou o recém-promovido U. Santarém.

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 13 de Setembro de 2018)

Setembro 16, 2018 at 11:00 am Deixe um comentário

A propósito dos 90 anos do Ramal de Tomar (V)

De Tomar - 1928-07-22
De Tomar - 1928-07-22a

(Imagens – “De Tomar”, 22.07.1928)

Setembro 14, 2018 at 9:38 am Deixe um comentário

Artigos Mais Antigos


Autor – Contacto

Destaques

União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Setembro 2018
S T Q Q S S D
« Ago    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivos

Categorias