“Mercado da República”

mercado-da-republica

Setembro 30, 2016 at 12:30 pm Deixe um comentário

Convento de Cristo abre ala filipina para mostrar história da farmácia e da cura

A exposição, patente durante um ano, é a segunda do projecto que pretende “expor em contexto” a colecção “escondida” e a “precisar de ser mostrada” existente no Convento.

A partir da colecção de vasos e potes de faiança existente no seu acervo, o Convento de Cristo, em Tomar, convida, até ao Verão de 2017, à descoberta da história da farmácia conventual e do universo da cura.

Construída graças à colaboração de um vasto conjunto de instituições, a exposição “A Botica do Real Convento de Thomar” abre ao público uma parte do edifício Património da Humanidade habitualmente encerrada, a ala filipina, resultante da última grande intervenção no Convento, ocorrida nos séculos XVII e XVIII.

Aos mais de 80 potes e faianças com origem provável na Real Fábrica de Louça, ao Rato, em Lisboa, e na Fábrica de Faiança do Juncal, que integram “o vasto espólio” reunido pela União dos Amigos dos Monumentos da Ordem de Cristo (UAMOC) nas primeiras décadas do século XX, juntaram-se peças cedidas pelos museus da Farmácia e do Azulejo e pelo Palácio Nacional de Mafra para uma exposição que mostra a evolução histórica da farmácia e entra no mundo místico da cura.

A exposição, patente durante um ano, é a segunda do projecto que pretende “expor em contexto” a colecção “escondida” e a “precisar de ser mostrada” existente no Convento, “enriquecendo o percurso de visita e, simultaneamente, dando ao público uma maior proximidade com este monumento através dos objectos, da leitura do quotidiano, dos usos, e até entendimentos económicos da sua sustentabilidade”, disse à agência Lusa a directora do Convento de Cristo, Andreia Galvão.

Com sete núcleos expositivos, o percurso parte da procura da cura de corpo, espírito e alma, aborda a temática da cura nos conventos, mostra o acervo da botica – com os potes e vasos em faiança azul e branca em destaque – e a enfermaria do convento de Tomar, a organização da vida monástica, o território e as gentes e a evolução da farmácia até à actualidade.

“A viagem alarga-se aos quotidianos religiosos da comunidade de frades que habitavam o Convento de Cristo, onde exercitavam saberes para curar irmãos e populações vizinhas, demonstrando o impacto que tiveram numa região que ainda hoje conserva a sua memória”.

Da documentação à panóplia de objectos (incluindo amuletos), recipientes, instrumentos, referência às matérias-primas, provenientes essencialmente do jardim de plantas medicinais, “espaço presente em praticamente todos os mosteiros porque era aí que se encontrava grande parte dos antídotos galénicos para os males que era necessário curar”, a exposição remete também para a paisagem criada pelas comendas da Ordem de Cristo.

“Fica o ensejo de sair daqui, do monumento, e de entrar nos domínios mais próximos da Ordem, este espaço envolvente da fortaleza, que nos remete também à sua organização inicial”, afirmou.

Andreia Galvão realçou à agência Lusa a colaboração “fundamental” de instituições como o Museu da Farmácia, o Palácio Nacional de Mafra, o Museu Nacional do Azulejo, o Instituto Politécnico de Tomar, a Torre do Tombo, o Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova, o Laboratório Hércules, da Universidade de Évora, entre outros, que emprestaram peças e contribuíram com uma “multiplicidade de saberes”.

Numa das salas, um televisor passa os testemunhos de mulheres da região “que conhecem as ervas e as mezinhas”, resultado de uma recolha da antropóloga Daniela Araújo, uma das especialistas que colaborou na montagem da exposição, e que está também disponível no site criado pelo Politécnico de Tomar http://www.boticaconvento.ipt.pt/pt/.

A partir do material exposto e dos estudos feitos, realizar-se-ão vários eventos, que começam com uma conferência proferida pelo director do Museu Nacional da Farmácia, João Neto, intitulada “Da guerra à doença – os Templários e as Ordens Médico-Militares durante as Cruzadas”.

Para Janeiro de 2017, está agendado um encontro com todos os colaboradores e investigadores envolvidos no projecto, altura em que será lançado o catálogo da exposição, adiantou.

(via Público/Lusa, 26.09.2016)

Setembro 26, 2016 at 12:23 pm Deixe um comentário

Campeonato Distrital Futebol – 3ª Jornada

Mação – Pego – 3-0
Fazendense – Cartaxo – 2-1
At. Ouriense – Coruchense – 0-2
Amiense – Benavente – 3-0
Emp. Comércio – Riachense – 1-2
Samora Correia – U. Almeirim – 1-1
U. Tomar – Torres Novas – 3-0

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Coruchense          3     3     -     -    11 -  0     9
 2º Samora Correia      3     2     1     -     4 -  2     7
 3º U. Tomar            3     2     -     1     5 -  2     6
 4º Mação               3     2     -     1     5 -  3     6
 5º Riachense           3     2     -     1     5 -  3     6
 6º Fazendense          3     2     -     1     4 -  2     6
 7º Amiense             3     2     -     1     4 -  3     6
 8º Pego                3     2     -     1     3 -  4     6
 9º Cartaxo             3     1     -     2     1 -  3     3
10º Emp. Comércio       3     1     -     2     3 -  8     3
11º U. Almeirim         3     -     2     1     1 -  2     2
12º Torres Novas        3     -     1     2     0 -  5     1
13º At. Ouriense        3     -     -     3     1 -  5     -
14º Benavente           3     -     -     3     0 -  6     -

Setembro 25, 2016 at 5:07 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 2ª Jornada

pulsar-2

(“O Templário”, 22.09.2016)

O que faz do futebol um jogo tão aliciante é (também) a sua frequente falta de lógica, com as equipas favoritas a serem superadas por outras teoricamente menos apetrechadas. O campeonato será tão mais interessante quanto mais tempo se mantiver o equilíbrio, nomeadamente a nível da disputa pelos lugares de topo da classificação.

Pois, se foram enriquecedores para a competição os triunfos do Samora Correia (em Riachos) e do Pego (frente ao Fazendense) – e, em certa medida, também a vitória do Mação, pese embora contrária aos interesses dos tomarenses –, já não será tão aprazível a forma como o Coruchense parece começar a impor-se, logo nesta fase de arranque da prova. Mas o campeonato é longo, e a “procissão ainda vai no adro”.

Isto, sem esquecer também que, por agora, o grupo do Sorraia partilha a liderança precisamente com o Pego e Samora Correia, os três clubes que conseguiram vencer os dois jogos já disputados, com a curiosidade de nenhum deles integrar este escalão na época anterior.

Destaques – O principal destaque da 2.ª ronda vai para a inesperada vitória do Samora Correia em Riachos, ante o favorito Riachense, por 2-1, a atrasar desde já um candidato, a parecer repetir a pecha que tanto o penalizou na temporada passada, por via da perda de pontos no seu terreno. Por seu lado, os samorenses, recém-chegados do escalão secundário, iniciam esta época sob os melhores auspícios, porventura a pensar em projectar-se para maiores aspirações que aquelas que, à partida, lhe seriam atribuídas.

Na mesma linha, para já totalmente vitorioso, segue o Pego, que, depois de ter começado por surpreender, ganhando em Ourém, bisou a surpresa, impondo-se ao favorito Fazendense (1-0), não obstante ter actuado no seu terreno. Os pegachos começam a amealhar pontos que lhes possibilitem resguardo em tempos menos férteis…

Realce ainda para o desfecho do desafio entre Mação e União de Tomar, com os maçaenses a vencerem por 2-1. Ao invés do que sucedera na jornada inicial, o União entraria, desta feita, praticamente a perder, tendo sofrido o primeiro tento ainda antes de decorridos dois minutos. Não abdicando de ir em busca dos pontos em disputa, os unionistas chegariam ao empate, ainda no primeiro tempo… mas mal teriam tempo para festejar, porque, de imediato, seriam sancionados com uma grande penalidade, de que resultou o golo do triunfo dos visitados. Na segunda metade – e procurando tirar partido da inovação introduzida neste campeonato, que permite até cinco substituições –, Lino Freitas faria, logo ao intervalo três alterações no “onze”; porém, à medida que o tempo ia decorrendo, o Mação ia-se fechando mais, com os tomarenses, paralelamente, a perder discernimento, não tendo conseguido evitar o primeiro desaire.

Confirmações – Para além do triunfo do Coruchense face ao Amiense, por convincente marca de 3-0 (ampliando o seu “score” global para 9-0, em apenas dois jogos), tiveram também resultados expectáveis o Cartaxo-At. Ouriense (1-0), e, pese embora algum favoritismo que seria atribuído aos almeirinenses, o nulo entre U. Almeirim e Torres Novas (curiosamente, o precedente e o próximo oponentes do União de Tomar).

Surpresa – Para além da maior surpresa – que se constitui paralelamente no principal destaque desta ronda (a vitória do Samora Correia em Riachos) –, não seria talvez previsível que, depois de terem sido “cilindrados” na partida inicial, no seu próprio terreno, os Empregados do Comércio tivessem reacção tão positiva, indo vencer ao campo do Campeão da II Divisão, Benavente (e por 2-0), o que coloca desde já os benaventenses, a par do At. Ouriense, na desconfortável posição de “lanterna vermelha”, únicas duas equipas que perderam os dois jogos.

Campeonato de Portugal Prio – À 4.ª jornada, o Fátima manteve a sua carreira triunfal, somando terceira vitória em outros tantos encontros disputados, “esmagando” uma exaurida equipa da Naval, por contundente 8-0 (passando o “score” geral da turma da Figueira da Foz, que acumula já quatro desaires, para arrepiante 0-18); os fatimenses, recém-promovidos do Distrital seguem num excelente 2.º posto, apenas superados pelo Sertanense (já com quatro vitórias). Quanto ao Alcanenense, recebendo uma equipa despromovida da II Liga, Mafra, não evitou ser desfeiteado, em casa, por 1-2, repartindo agora o 3.º lugar precisamente com este adversário (o qual, contudo, regista um jogo em atraso) e com o surpreendente Gafetense, numa série com liderança destacada (somando igualmente quatro triunfos) pelo Praiense.

Antevisão – Na próxima jornada do Distrital da I Divisão, destaca-se o clássico União de Tomar-Torres Novas, que coloca frente a frente os dois clubes com maior historial do Distrito, esperando-se que os unionistas possam confirmar a sua condição de favoritos neste confronto.

Também particularmente aliciante se afigura o desafio entre Fazendense e Cartaxo, duas das equipas tradicionalmente de topo neste escalão. De interesse será igualmente o Samora Correia-U. Almeirim.

Os principais candidatos à disputa do título têm saídas de grau de dificuldade similar, nas quais reúnem favoritismo, mas em que um imprevisto pode “estar à espreita”: o Coruchense desloca-se a Ourém, enquanto o Riachense visita a Ribeira de Santarém, restando saber qual a “cara” com que se apresentarão os “Caixeiros” (a da primeira jornada, ou a da segunda?).

O Campeonato de Portugal terá, no próximo fim-de-semana, uma breve pausa, para disputa da 2.ª eliminatória da Taça de Portugal, com as duas equipas do Distrito que se mantêm em prova a defrontarem dois clubes repescados, após terem sido derrotados na ronda inaugural, pelo que assumirão a condição de favoritas: o Fátima recebe o Pampilhosa (penúltimo na sua série do Nacional), enquanto o Alcanenense é visitado pelo Sendim, de Miranda do Douro, a militar no Distrital de Bragança (que fora goleado por 1-8 pela A. D. Oliveirense na eliminatória anterior).

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 22 de Setembro de 2016)

Setembro 25, 2016 at 11:00 am Deixe um comentário

Campeonato Distrital Futebol – I Divisão – 2ª Jornada

Mação – U. Tomar – 2-1
Pego – Fazendense – 1-0
Cartaxo – At. Ouriense – 1-0
Coruchense – Amiense – 3-0
Benavente – Emp. Comércio – 0-2
Riachense – Samora Correia – 1-2
U. Almeirim – Torres Novas – 0-0

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Coruchense          2     2     -     -     9 -  0     6
 2º Pego                2     2     -     -     3 -  1     6
 3º Samora Correia      2     2     -     -     3 -  1     6
 4º Riachense           2     1     -     1     3 -  2     3
 5º Fazendense          2     1     -     1     2 -  1     3
 6º U. Tomar            2     1     -     1     2 -  2     3
 7º Cartaxo             2     1     -     1     1 -  1     3
 8º Mação               2     1     -     1     2 -  3     3
 9º Amiense             2     1     -     1     1 -  3     3
10º Emp. Comércio       2     1     -     1     2 -  6     3
11º U. Almeirim         2     -     1     1     0 -  1     1
12º Torres Novas        2     -     1     1     0 -  2     1
13º At. Ouriense        2     -     -     2     1 -  3     -
14º Benavente           2     -     -     2     0 -  3     -

Setembro 18, 2016 at 7:17 pm Deixe um comentário

O Pulsar do Campeonato – 1ª Jornada

(“O Templário”, 15.09.2016)

A ronda inaugural do Campeonato Distrital da I Divisão da Associação de Futebol de Santarém parece ter vir confirmado, desde logo, o favoritismo atribuído às equipas do Coruchense e do Riachense, tendo obtido categóricos triunfos, em ambos os casos em terreno alheio.

De facto, não sendo previsível que a edição deste ano da prova tenha um clube tão dominador como foi, na época passada, o Fátima (um Campeão “pré-anunciado”), o Coruchense – recém-despromovido do Campeonato de Portugal – perfila-se, à partida, como principal favorito, em função da forma como se reforçou, tendo recrutado o anterior técnico do Cartaxo, André Luís, o qual se fez acompanhar de cerca de metade dos seus habituais titulares no conjunto vice-campeão, para além do regresso de Joel (ex-Fazendense), entre outras contratações.

Numa disputa pelo título que se espera seja muito mais aberta que a do ano passado, o Riachense, também pela forma activa como marcou presença no período de “defeso”, será possivelmente o principal concorrente da turma do Sorraia, tendo iniciado também a prova da melhor forma, impondo-se no “derby” municipal.

Destaques – O principal destaque da jornada vai, necessariamente, para a soberba goleada aplicada pelo Coruchense na deslocação à Ribeira de Santarém, ganhando por 6-0 aos Empregados do Comércio. Um desfecho que, mais adiante se poderá aquilatar melhor, traduzirá, ou uma inequívoca superioridade da formação de Coruche, ou uma grande debilidade da equipa da casa… ou, eventualmente, um misto de ambas as situações. Para já, os “Caixeiros”, prestes a completar o centenário de existência (em 2017), que apenas na derradeira ronda do campeonato anterior haviam conseguido assegurado a manutenção, parecem necessitar melhorar bastante o seu desempenho, dada a fragilidade defensiva evidenciada.

Mas se começa por ser impressionante esta entrada em competição do Coruchense, possivelmente, mais relevante terá sido a vitória obtida pelo Riachense, em Torres Novas, por 2-0, repetindo aliás o triunfo alcançado já nas duas partidas que havia disputado no campeonato anterior com a equipa da sede do município, um histórico do futebol distrital, porventura em fase menos positiva. Em qualquer dos casos, um início bem afirmativo do “onze” dos Riachos.

Confirmações – Esperando-se que a disputa pelos lugares de topo da tabela possa alargar-se a outros concorrentes, Fazendense e União de Tomar começaram por confirmar, perante adversários valorosos, que estão preparados para manter o habitual alto nível de desempenho (2.º e 3.º lugar para os tomarenses, nas duas temporadas anteriores; 5.º, 4.º e 3.º posto para a formação das Fazendas, de 2013 a 2015, tendo o pior registo do ano passado sido compensado com a conquista da Taça do Ribatejo).

O Fazendense, recebendo o Mação – clube que se pauta por extrema regularidade competitiva, classificando-se sempre entre a 4.ª e a 7.ª posição, um permanente candidato aos lugares cimeiros – venceu, também por 2-0.

Quanto ao União de Tomar, defrontando um também reforçado U. Almeirim, ambicionando igualmente melhorar bastante o 7.º posto averbado no ano anterior, começou por ter a felicidade de marcar o tento que lhe proporcionaria a vitória, logo aos três minutos. Depois, no decurso do primeiro tempo, criaria mais um conjunto de oportunidades, que, contudo, não conseguiria concretizar. Na etapa complementar, apostando sobretudo em preservar a vantagem, permitiria aos almeirinenses criar mais perigo. Em síntese, um promissor começo para os nabantinos.

Situando-se, em princípio, noutro patamar – em busca de uma posição tranquila na tabela –, noutro “derby”, do município de Benavente, entre dois clubes recém-promovidos, o Samora Correia bateu o Benavente por 1-0.

Surpresas – Num confronto entre duas equipas que terão aspirações similares, visando também garantir, o mais cedo possível, uma posição de tranquilidade no que respeita à permanência, registou-se a maior surpresa desta primeira ronda, com o Pego (outro recém-promovido) a ir vencer a Ourém, o At. Ouriense por 2-1.

Menos surpreendente, embora talvez não linearmente expectável, terá sido a vitória do Amiense na recepção ao Cartaxo, por 1-0, com os cartaxeiros, depois da brilhante temporada do ano passado, a necessitarem tempo para reorganizar a sua equipa, que vinha sendo trabalhada há alguns anos, desde os escalões de formação.

Campeonato de Portugal Prio – Já na sua 3.ª jornada desta prova de índole nacional, o Fátima – que vencera as duas primeiras partidas – viu o seu encontro com o Sp. Ideal (Açores) ser adiada; por seu lado, o Alcanenense, jogando também nos Açores, ante o histórico Lusitânia, obteve excelente triunfo por 3-0, somando seis pontos, posicionando-se no 2.º posto.

Antevisão – Na próxima ronda do Distrital da I Divisão, o desafio de maior cartaz será o Mação-U. Tomar, uma saída de elevado grau de dificuldade para os unionistas, que, não obstante, aí venceram por uma vez, tendo ainda registado três empates, nos últimos seis anos.

Nos encontros Coruchense-Amiense, Riachense-Samora Correia e Cartaxo-At. Ouriense, seria grande a surpresa se não vencessem os clubes visitados.

Outras partidas de interesse, teoricamente de maior equilíbrio, serão o U. Almeirim-Torres Novas, o Pego-Fazendense (com algum favoritismo a pender para os visitantes) e o Benavente-Empregados do Comércio, que poderá dar uma melhor ideia da efectiva valia destes conjuntos.

No Nacional, o Fátima, recebendo uma depauperada equipa da Naval, parece ser amplamente favorito, enquanto o Alcanenense terá um teste difícil, com a visita do Mafra

(Artigo publicado no jornal “O Templário”, de 15 de Setembro de 2016)

Setembro 18, 2016 at 11:00 am Deixe um comentário

Campeonato Distrital Futebol – I Divisão – 1ª Jornada

Fazendense – Mação – 2-0
At. Ouriense – Pego – 1-2
Amiense – Cartaxo – 1-0
Emp. Comércio – Coruchense – 0-6
Samora Correia – Benavente – 1-0
Torres Novas – Riachense – 0-2
U. Tomar – U. Almeirim – 1-0

                       Jg     V     E     D       G       Pt
 1º Coruchense          1     1     -     -     6 -  0     3
 2º Fazendense          1     1     -     -     2 -  0     3
 3º Riachense           1     1     -     -     2 -  0     3
 4º Pego                1     1     -     -     2 -  1     3
 5º Amiense             1     1     -     -     1 -  0     3
 6º Samora Correia      1     1     -     -     1 -  0     3
 7º U. Tomar            1     1     -     -     1 -  0     3
 8º At. Ouriense        1     -     -     1     1 -  2     -
 9º Benavente           1     -     -     1     0 -  1     -
10º Cartaxo             1     -     -     1     0 -  1     -
11º U. Almeirim         1     -     -     1     0 -  1     -
12º Mação               1     -     -     1     0 -  2     -
13º Torres Novas        1     -     -     1     0 -  2     -
14º Emp. Comércio       1     -     -     1     0 -  6     -

Setembro 11, 2016 at 7:15 pm Deixe um comentário

Artigos mais antigos


Autor – Contacto

Destaques

União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Setembro 2016
M T W T F S S
« Aug    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

Categorias