Pacheco Pereira diz que a sua biblioteca “não pode continuar privada”

Maio 4, 2012 at 9:38 pm Deixe o seu comentário

O historiador José Pacheco Pereira espera pela clarificação da nova Lei das Fundações para decidir o destino a dar à sua biblioteca/arquivo, que “atingiu tal dimensão que não pode continuar a ser privada”.

O historiador tem cuidado sozinho de um acervo bibliográfico, documental e de objectos que foi reunindo desde a adolescência e que preenche grande parte das divisões da casa onde vive há 20 anos, na Marmeleira, concelho de Rio Maior.

“Atingiu tal dimensão que não pode continuar a ser privado nem familiar. Tem que ser encontrado um enquadramento institucional e uma fundação parece o mais adequado”, disse à Lusa.

Contudo, Pacheco Pereira receia que, “para tentar combater a fraude de algumas fundações, e em particular os abusos das próprias fundações do Estado, que nem deveriam existir”, se avance para uma legislação “que parte do princípio da desconfiança”.

Para o historiador, não faz sentido fazer uma lei que obrigue as fundações a criar uma estrutura burocrática “tão grande que o grosso da despesa” será para manter essa estrutura. No seu entender, a solução terá que passar pelo controlo da concessão de utilidade pública, “porque o abuso está na utilidade pública concedida a fundações que são fictícias e que se destinam a fugir aos impostos”.

Pacheco Pereira tem na sua casa da Marmeleira mais de 110 mil títulos, entre livros e brochuras, grande parte deles digitalizados e disponibilizados no site Ephemera, que conta com mais de cinco mil entradas.

Todas as semanas chegam a sua casa donativos, parte deles resposta ao apelo que faz para que ninguém deite fora papéis ou materiais de campanhas ou acções políticas que fazem a memória da história política e social contemporânea.

Ao grupo de professores que nesta sexta-feira visitou a sua casa – participantes na terceira edição dos encontros Bibliotecário, que se realizam em Tomar – mostrou, na sala “onde começa a cadeia produtiva”, alguns dos objectos chegados esta semana, como discos em vinil vindos de um país do Leste Europeu ou material da campanha eleitoral francesa.

A história política contemporânea “mora” na casa de José Pacheco Pereira, na Marmeleira, nos milhares de livros, brochuras, publicações, cartazes, postais, recortes, vídeos, CD, selos, objectos, que transformaram o local onde vive numa fascinante biblioteca/arquivo.

“Existe aqui, talvez, a única colecção do que se chama efémera política, ou seja, objectos, panfletos, cartazes, autocolantes, pins, associados à actividade política desde o 25 de Abril e, em bom rigor, mesmo antes”, disse.

Entre os mais de 110 mil títulos, entre livros e brochuras, de uma colecção que reúne publicações desde o século XVI, Pacheco Pereira possui muitos documentos inéditos e originais, resultantes de doações e ofertas, às quais se somam exemplares adquiridos. […]

(Público)

About these ads

Entry filed under: Actualidade, Cultura. Tags: .

XIX Congresso da Sopa – Tomar Campeonato Nacional Hóquei Patins II Divisão – 26ª Jornada

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Autor – Contacto

Destaques

União de Tomar - Recolha de dados históricos

Calendário

Maio 2012
S T Q Q S S D
« Abr   Jun »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Arquivos

Categorias


Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: